quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Inversão

No passado, aos passos revoltosos,
O levantar da bandeira libertaria
Alimentava meu orgulho contrário.
Me opondo ao mundo e seus desgostosos
De opiniões explicitamente arbitrárias,
N'outra face da moeda, porém arbitrário.
Então, senti:

"Oh incrédulo errante,
Trata-se da mesma moeda!
Independente das faces.
Antes ser impensante,
Massificado como ameba,
Pois é tudo o mesmo enlace!

A inversão dos valores te ilude,
O que vem da carne é carne!
Reprodução e recriação animal.
Contravenção desta forma rude
Te faz objeto oculto, inerte,
E continuará propagando O Mal.

Tese, antitese e sintese
Não evolui tua moral.
Viva para o espírito e sinta
O engodo da evolução intelectual.

Não que deva abandonar o mundo,
Mas priorize encontrar glória.
Busque coisas de sentido profundo 
E mude sua história."






Todos os direitos reservados, caso queira publicar este poema favor comunicar anteriormente ao autor.